ISSN 1807-1783                atualizado em 11 de agosto de 2009   


Editorial

Expediente

De Historiadores

Dos Alunos

Arqueologia

Perspectivas

Professores

Entrevistas

Reportagens

Artigos

Resenhas

Envio de Artigos

Eventos

Curtas


Nossos Links



Destaques
Fale Conosco
Cadastro
Newsletter


Arqueologia Conceitual

por Ivan Cesar dos Santos Pinheiro

Sobre o autor[1]

Este texto foi escrito visando abordar algumas teses que rondam a Arqueologia no sentido de defini-la conceitualmente. Ao ser perguntado de como eu definiria a Arqueologia, o que eu poderia dizer? Seria fácil definir arqueologia com a simples frase: "é a ciência que estuda a história através de artefatos" ou se ela não fosse uma ciência com um objeto de trabalho definido e todos nós fossemos arqueólogos como Schliemann que era apenas um comerciante que viajava pela Europa no início do século e hoje é um nome respeitado entre os arqueólogos. O fato é que a Arqueologia é uma ciência tentando demarcar seu território, definindo seu espaço entre as ciências já existentes, respeitando seus limites e tentando explicar, através de suas técnicas e métodos de trabalho, o que é um limite para outras ciências como é o caso da sua relação com a História.

Nesta relação com a História e o que a Arqueologia traz de informações que estão fora do alcance nos estudos históricos, estamos dando ênfase para a pré-história (claro que todos nós sabemos que Arqueologia não vive só de pré-história, ela também estuda objetos de todas as épocas complementando e aumentando o número de informações que obtemos nos estudos históricos) que não existia escrita, documentos, o que a impossibilita de ser estudada pela História, pelo menos sem o auxílio dos arqueólogos. A exemplo disso temos a história dos povos africanos que tudo que sabemos até hoje sobre a maioria desses povos se deve muito a Arqueologia que desvenda desenhos rupestres, objetos entre outros registros que não possuem escrituras devido a inexistência da forma escrita dos dialetos destes povos. Em "Arqueologia de la Naturaleza/Naturaleza de la Arqueologia" (Arqueologia da natureza/natureza da arqueologia), Haber aborda este tema:

Fixar o limite do arqueológico, já incluindo e excluindo o moderno, implica necessárias decisões que não só vinculam nossas noções de tempo, mas também nossas idéias sobre a distância na qual mantemos o objeto - curiosa esta necessidade minha de dizer isto no âmbito de uma disciplina cujos contornos estão definidos pela Pré-história.” (HABER, 2004: pg. 16).

Não deixa dúvidas entre os profissionais e acadêmicos da Arqueologia que ela teve sua origem na tentativa de desvendar os mistérios da pré-história. Neste ramo ela se iniciou e vem mostrando sua importância também nos outros ramos da História como complemento de informações e respostas a questões que não são respondidas em documentos.

Mas, de fato, o que é a Arqueologia?

No meu ponto de vista, ela estuda sim a História (ao contrário do que muitos arqueólogos pensam), e é sim uma Ciência Humana. Estuda a História através dos objetos e restos (sejam restos de matéria humana – corpos – sejam objetos fabricados por eles ou resquícios de suas fabricações), deixados por sociedades que habitaram o local escavado. Ela desvenda os mistérios sobre os ritos e culturas dos povos que habitavam uma determinada região e também mostra a sua colaboração para a modificação deste local, de sua natureza.

Numa concepção parecida, ao responder esta mesma pergunta, Funari expõe seu ponto de vista sobre a Arqueologia em seu texto: “O que é Arqueologia?”:

“ [...] não há consensos, sendo a própria Arqueologia uma ciência em construção. Do meu ponto de vista a Arqueologia estuda os sistemas socioculturais, sua estrutura, funcionamento e transformações com o decorrer do tempo a partir da totalidade material transformada e consumida pela sociedade. [...] tem como objetivo a compreensão das sociedades humanas e, como objeto de pesquisa imediato, objetos concretos.” (FUNARI, 2003: pg. 16).

É um ponto de vista interessante que complementa o que eu falava a respeito.

Alguns autores desvinculam a Arqueologia da História (como é o caso de Binford) alegando que “registros arqueológicos não podem ser símbolos, palavras ou conceitos, são apenas materiais que se distribuíram na natureza e a única maneira de entendê-los seria averiguando sua origem e como tomaram sua forma atual”.

Seguindo a linha de pensamento de Binford (BINFORD, 1988: pg. 27), eu poderia escrever “A história de uma pedra: sua ontogenia e explicação de como foi parar no quintal da minha casa”, ou seja, seria uma materialização total da arqueologia, usando suas técnicas para uma observação de materiais sem olhos e curiosidades de historiador. Creio que isso não venha a ser o interesse comum e nem o nosso principal objeto de estudos.

Para finalizar, o processo evolutivo em andamento da Arqueologia tem um futuro promissor se seguir a mesma linha que está seguindo. Cada vez mais ela adquire mais respeito e importância para o mundo acadêmico e para a humanidade como um todo. Cada vez mais as pessoas se interessam pela ciência (que existe desde o século XVIII e teve sua profissionalização no século XIX) e cada vez mais forma-se arqueólogos capazes de discutir suas teses ao redor do mundo. Ainda o número de Arqueólogos é muito escasso, tratando-se de Brasil, por exemplo, existe uma média de apenas 200 profissionais. É muito pouco para um país de grande extensão e uma diversificada história pré-européia como o nosso.

A ligação da Arqueologia com a História e a Antropologia é inevitável, as três ciências andam de mãos dadas e unidas abrem os olhos da sociedade para a realidade que a ciência traz a tona desvendando – permita-me expressar de uma maneira romântica – os mistérios e mitos sobre o passado.

Os objetivos comuns com as outras ciências sociais trazem a Arqueologia para perto delas, podendo sim defini-la como uma ciência social que também necessita de uma análise interdisciplinar para cada objeto de estudo, e é este objeto que diferencia a Arqueologia das demais e lhe dá importância fundamental em meio às ciências humanas.

Bibliografia:

BINFORD, L. Descifrando el Registro Arqueológico. In: BINFORD, L. En Busca del Pasado. Barcelona: Crítica. 1988, pp. 23-34.

FUNARI, P. P. O que é Arqueologia? In: FUNARI, P. P. Arqueologia. São Paulo: Contexto, 2003.

HABER., A. La Arqueologia de La naturaleza / Naturaleza de La Arqueologia. In: HABER, Alejandro (org). Hacia una Arqueologia de lãs Arqueologias Sudamericanas. Bogotá: Ediciones Uniandes, 2004. pp. 15-32.


[1] Aluno do curso de Bacharelado em História da Universidade Federal de Pelotas, UFPel.